fbpx

Lasik ou PRK na cirurgia refrativa: quando indicar um ou outro?

A cirurgia refrativa é um procedimento feito a laser para corrigir problemas, como miopia, hipermetropia, presbiopia e astigmatismo, em grau médio ou alto. Com isso, o principal objetivo dessa cirurgia é remodelar a córnea para possibilitar a refração dos raios luminosos e otimizar a formação das imagens com maior precisão.

É a melhor saída para pacientes que não querem fazer o uso de óculos ou lentes de contato. Mas antes de realizar a cirurgia refrativa é preciso avaliar junto ao oftalmologista se não há sinais de outras doenças oculares, como conjuntivite crônica, olho seco, catarata ou alterações na retina.

Durante o procedimento, o cirurgião pode utilizar duas técnicas: Lasik e PRK. Ambas usam o Laser Excimer, mas a diferença consiste na forma como ele é aplicado. Entenda como funciona cada uma e como elas são escolhidas, de acordo com o pré-operatório do paciente.

Lasik

Costuma ser mais utilizada e consiste no corte horizontal da córnea, criando uma lâmina fina que é levantada para a aplicação do Laser no estroma, parte mais interna da córnea. O Laser aplicado remodela a córnea, aplanando-a na correção da miopia, aumentando as curvaturas periféricas na hipermetropia e corrigindo o eixo mais curvo no astigmatismo. Após a aplicação do Laser, a fina lâmina corneana é colocada de volta e a cirurgia é finalizada.  

Em decorrência de não raspar a córnea, mas sim de levantar o tecido corneano superficial, o pós-operatório da Lasik é mais simples, ágil e não costuma apresentar desconforto ou dor. O paciente pode voltar à rotina, já com a visão otimizada, dentro de poucos dias. 

PRK

É o primeiro método de cirurgia ocular a laser e costuma ser indicado para pacientes que não possuem a curvatura corneana adequada ou quando a córnea é mais fina. 

Com o PRK é feita uma remoção das células epiteliais para extrair uma camada fina e completa da parte externa da córnea. Neste momento, é feita a aplicação do laser para corrigir o problema.

Por ser mais complexo e invasivo que a Lasik, esse método exige também um tempo maior de recuperação e pode apresentar desconforto ou dor no pós-operatório.

Além disso, uma lente especial é aplicada para proteger o olho após o procedimento, sendo retirada em uma semana. Passado esse período, os cuidados devem permanecer por alguns meses, a fim de reduzir qualquer tipo de dano ocular, e a exposição ao sol deve ser evitada por 1 ano.

Converse com um oftalmologista

A escolha de cada método deve ser sempre avaliada junto a um oftalmologista, que investigará o grau do problema, as condições da córnea e o histórico ocular, associando todas essas informações às necessidades do paciente. Somente após essas etapas, é possível escolher qual deve ser o método utilizado durante a cirurgia refrativa

Sobre a Via Oftalmocenter

Há mais de 30 anos, a Via Oftalmocenter contribui para a melhoria da qualidade de vida da população de Brasília, oferecendo diagnósticos e tratamentos avançados para doenças da visão, como catarata, glaucoma, erros de refração e ceratocone. Agende sua consulta.

Post anterior
Ceratocone e astigmatismo: quais são as diferenças?
Próximo post
Síndrome do olho seco: por que ela acontece e como tratar?

Leia também

Menu
Fale conosco